Dançarina

Dançarina

Videodança

A videodança é um recurso utilizado há algum tempo no mundo da dança, surgiu no início dos anos de 1970, inicialmente, era uma filmagem, somente um registro em vídeo da dança. Um dos primeiros trabalhos nesse formato, e que já podemos denominar videodança, foi feito por Merce Cunningham, Westbeth, produzida por Charles Atlas, em estúdio no ano de 1974, sendo lançada em 1975. Essa produção baseia-se numa conclusão que a filmagem muda a maneira de olhar e a sensação do tempo. Nisso, o vídeo deixa de ser apenas um registro e torna-se componente da criação. 

Segundo informações do site Wikidança1, o que difere a videodança do registro de dança é a apropriação do artista pela mídia, partindo de seus valores estéticos e poéticos, utilizando o vídeo de forma artística. Acredita-se que a videodança seja um resultado de tecnologias que interferem na realização artística da dança.

A pesquisadora Maíra Spanghero classificou a videodança em três tipos, o primeiro é o registro em estúdio ou palco, a gravação da coreografia original com uma ou mais câmeras sem alterações significativas, apenas um registro das câmeras de forma diferente da vista presencial em um teatro. O segundo é a adaptação de uma coreografia já existente para o formato audiovisual. O terceiro tipo é chamado de screen choreography, danças desenvolvidas exclusivamente para a tela, “criadas para o corpo do vídeo e para o olho que se habituou a conviver com televisão, vídeo e cinema” (Wikidança).

Existem muitas pesquisas e trabalhos em videodança, no Brasil o primeiro trabalho ainda chamado de videoarte, mas que pode ser considerado como o precursor da videodança, é a produção de M3x3 de Analívia Cordeiro, em 1973, desenvolvendo uma síntese entre dança e tecnologia. Elementos fundamentais para a investigação da videodança são o corpo, o tempo e o espaço, não somente a união de um coreógrafo é um cinegrafista, é preciso criar uma relação da organização espaço-temporal com a câmera. Atualmente vemos muitos trabalhos de videodança, principalmente pela facilidade da disposição de materiais para isso, embora ainda seja uma linguagem em construção, com processos de organização próprios. 








1. http://wikidanca.net/wiki/index.php/Videodan%C3%A7a
http://videodancapesquisa.blogspot.com.br/
http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/e-com/article/viewFile/5415/4932

Nenhum comentário:

Postar um comentário